Como vejo a Literatura Brasileira

Há uns dois ou três anos, eu encontrava nas ruas do centro de Porto Alegre, junto à Praça da Alfândega ou em frente ao Shopping Total, pessoas vendendo livros, editados de maneira rústica, em cópia xerográfica e com as páginas grampeadas.

 Ao ser abordada pelo escritor, que me oferecia seu livro com uma breve sinopse falada, eu sequer parava para ouvir, muito menos mostrar o mínimo interesse.

Estava sempre correndo. O assunto não me interessava. Imagine se eu iria comprar um livreto na rua? Nem pensar. Na verdade, o vendedor do livro rústico, o escritor, dispunha apenas daquele meio para divulgar o seu trabalho, num corpo a corpo com os seus futuros leitores.

Quando escrevi meu livro e procurei editoras para a publicação, eu percebi que não conhecia o mercado editorial. Percorri um longo caminho em busca de uma editora ou um patrocínio para custear a edição. Ao final de nove meses, optei pela autopublicação e criar contas nas redes sociais para me apresentar como escritora e mostrar o meu livro.

No final de 2013, eu invadi o Facebook e o Twitter. Aprendi muito, e a cada dia uma nova lição para enriquecer meu currículo. E o mercado mudou? Muito pouco ou quase nada.  A minha visão, antes muito crítica e contestadora, é que mudou.

As editoras não são entidades assistenciais. São empresas com fins lucrativos, que precisam manter seus funcionários e o seu faturamento para continuar operando no mercado. Precisam de bons escritores com bons manuscritos para obter lucro. E assim, para atender o público leitor e dar continuidade ao seu negócio, os editores preferem traduzir títulos estrangeiros. Os quais costumam ter um custo mais baixo que os de nossos escritores e a venda é praticamente certa.

É uma situação absurda. Como que um livro feito no país, por um escritor brasileiro pode ter o custo acima do livro estrangeiro, levando-se em conta todas as implicações de um importado? De quem é a culpa?  Das normas que regem o mercado. É a lei da oferta e da procura, do risco de prejuízo... Então, algumas editoras trabalham como gráficas, é uma alternativa para se manter em atividade. O escritor assume todos os custos de produção e distribuição.

Outra forma de sobrevivência das editoras são as coletâneas. Contos, crônicas ou poesias, reunindo vários escritores que, para participar, devem comprar antecipadamente um número determinado de exemplares. Aqui é critério pessoal do escritor, se vale a pena participar ou não. É preciso lembrar que são vários autores inseridos na coletânea e sem lucro algum, a não ser que você venda os exemplares que comprou. Nesse caso, eu recomendo a autopublicação. Permite ao escritor fazer a sua própria coletânea, reunindo contos ou poesias de sua autoria e sem custo algum.

O Ministério da Cultura, responsável pelas políticas públicas, não oferece condições de valorização da literatura nacional. O incentivo é ínfimo se comparado às necessidades do país. Museus e bibliotecas fechando as portas por não dispor de verba para a manutenção. Acervos riquíssimos de nossa história se deteriorando por falta de cuidado, de boa vontade, de competência. Editoras encerrando atividades para não ir à falência. Bibliotecas de escolas públicas desativadas, por falta de pessoas qualificadas ou até sem experiência para, pelo menos, mantê-las abertas, para que os alunos possam fazer suas pesquisas ou apenas ler um bom livro. Como adquirir o gosto pela leitura se falta incentivo, falta estímulo nas classes mais necessitadas?

Ainda bem que existe a internet. São sites, redes sociais com grupos específicos de literatura. Temos saraus e concursos. Temos festivais com distribuição de livros. Temos revistas e jornais virtuais. E temos leitores!

O poeta Augusto de Campos, de 84 anos, um dos criadores da “poesia concreta”, disse em uma entrevista que “a Internet democratizou a literatura com seus sites e blogs e a poesia nunca teve tanto espaço como no ciberespaço, vingando-se da escassez da mídia impressa, que se fechou para a poesia. Eu mesmo há anos quase só publico na Web”.

É a realidade da literatura brasileira. E não adianta publicar um livro ou participar de uma coletânea se seu nome não for constantemente divulgado no meio literário. Se não dispuser de tempo para a divulgação - porque são poucos que podem viver da literatura hoje em dia - contrate uma assessoria que divulgará seu nome e seu trabalho.

Eu estou em busca do aperfeiçoamento, e quando olho para trás, para o caminho que percorri em dois anos...  Dou-me conta de que nada sou e nada tenho e ainda me encontro distante do que quero e desejo realizar.

Nell Morato

28/12/2015

 

 

 

 

Contato

[email protected]hotmail.com

linkedin

Em destaque

logo com o ISSN

Recanto da Lusofonia logomarca

Editoras - Portugal

Editoras - Brasil

 

 

 

 Renova Livro carto

 

 

Portal Literário - Um Mundo literário ao seu alcance

 

Autor parceiro
Tito Mellão Laraya

 Imagem Tito Laraya