Escrevi um livro, e agora?

Escrevi um livro, e agora?
Este é um tema com formato garrafal. Escrevi um Livro! Vaidades!Feliz e contente escrevera um livro. Melhor, rabisquei. Juntei folhas de poemas, quantas vezes alinhavados com olhos marejados de lágrimas.Mas não necessariamente chorosos.

Também os tenho sorridentes, amargos, revoltados, sociologicamente querendo entrar pelos assuntos adentro, ficando abeirada nas franjas dos problemas reais dos outros.Que feliz estava por ter escrito um livro! Poesia é a minha arte. Foi indescritível.
O poeta é um grande fingidor. Porém, finge - se finge - com arte. E com alguma arte, espero, escrevi o meu primeiro livro. Não consigo contabilizar as horas e /ou os dias de trabalho. Escrever, corrigir, etc. Mas escrevi um livro, com um título apelativo ,na esperança de que, ao olharem para a capa, me comprassem.Escrever nunca foi problema para mim sobretudo a poesia. Todavia, considerando que é um trabalho solitário, o problema surge quando se pretende afirmar o nosso trabalho. Todos comentamos isto. É uma verdade insofismável.


Escrevi mais um livro, e agora?

Dificilmente reparamos que os nossos pequenos prazeres (de escrita) podem ser objectos de interesse para o público. Serão?- Como se desenrolará o processo, serão eles passíveis de exposição?Entre a inocência, a timidez ou incompetência de quem não se sabe. Nunca se sabe o porquê. Ou, se sabe não parece querer vender. Acabamos por ficar, todos nós - os novos escritores - circunscritos aos amigos, familiares e grupos de interesse profissional ou desportivo.De um modo geral – falo agora em meu nome, mas creio poder generalizar - sou eu quem vende os livros. A divulgação fica a cargo da editora, porém cabe-me a mim a parte mais difícil. Os livros só muito lentamente têm vindo a ser colocados/divulgados para venda ao grande público.Aguardam-se melhores dias, uma maior dinâmica, mais sucesso, mais vendas, algum dinheiro que chegue para as despesas. E, não só.A minha área é a poesia e essa é, dentro da literatura, um mercado ainda mais complexo. Estamos a verificar um Boom a nível de novos poetas e escritores em geral.É preciso que tenhamos visibilidade. Sair da obscuridade seria muito bom, tal como uma divulgação alargada do valor literário, após devida avaliação.Esta avaliação deveria estar em primeiro plano, nas editoras, evitando o editar-se por se editar – o dinheiro pela arte –  que destrói o que de melhor existe em cada um de nós. A criatividade.Porém, notam-se algumas melhorias e um esforço para a divulgação em geral.Editei sim uns livros, e depois?


Quem entende a arte do poeta?

Alindam-se poeticamente verdades, de cruas dores vividas, de onde o poema nasce aligeirado, ou tecnicamente forte como a força do pano cru. Nasce por vezes o poema despido, nu como uma criança saída da barriga da sua mamã.E aparece-nos o poema, tantas vezes amadurecido, geralmente bem vestido de seda deslizante. Ora vai caindo em mãos doces, de coração quente, do tamanho do Mundo.Ou quiçá, fique o poema a um canto. Fechado numa página qualquer de um qualquer livro vendido ao desbarato, sem que alguém se detenha a fazer-lhe uma análise de conteúdo, séria.

 

Penso num novo livro, e então? 

Sem esquecer a poesia, ela está intrinsecamente ligada a mim, voarei para outros prados, outras gentes, outros lugares.Por ela e com ela aventurar-me-ei a ser fazedora de livros em prosa, crónicas que poderão fazer sorrir até uma cara triste ou alegrar um dia de má disposição.Tem que haver uma saída. Não podemos ficar inertes. Procuremos, mesmo que desoladamente, alguns sinais, por pequenos que sejam, que nos tragam as marcas da passagem de alguém por nós. Alguém que nos leu e não nos viu, mas terá que ver. Façamos dos nossos livros um percurso qualitativo e crescente. É passo a passo e caminho a caminho que as distâncias se diluem, e o fim da viagem parecer-nos-á mais perto e leve. Mais nossa.Será um acto de justiça reconhecer que temos vindo a assistir a um esforço na divulgação dos novos autores. Não chega? Pois não!


Maria dos Santos. 6 de Julho de 2017

 

 

 

 

 

 

linkedin

Em destaque

logo com o ISSN

Recanto da Lusofonia logomarca

Editoras - Portugal

Editoras - Brasil

 

 

 

 Renova Livro carto

 

 

Portal Literário - Um Mundo literário ao seu alcance

 

Autor parceiro
Tito Mellão Laraya

 Imagem Tito Laraya